• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

SINSEJ entrega pautas das campanhas salarias às prefeituras de Joinville e Itapoá

O objetivo é iniciar o quanto antes as negociações com o governo, levando em conta que 2020 é ano eleitoral e a partir de junho os governos alegam estar impossibilitados de conceder reajuste ou aumento

Publicado: 06 Dezembro, 2019 - 14h18

Escrito por: Assessoria SINSEJ

notice

Nesse 3 de dezembro, o Sinsej protocolou ofícios com as pautas de reivindicações das campanhas salariais 2020 dos servidores públicos municipais de Itapoá e de Joinville nas respectivas prefeituras. Juntamente às pautas, foram entregues propostas de calendário escolar para o ano que vem, também aprovados por unanimidade em assembleia geral das categorias, dias 25 e 27 de novembro.

O objetivo é iniciar o quanto antes as negociações com os governos municipais, levando em conta que 2020 é ano eleitoral e a partir de junho os governos alegam estar impossibilitados de conceder reajuste ou aumento salarial aos servidores. Há tempos os servidores e serviços públicos estão na mira dos governos. A terceirização é a medida preferida dos prefeitos que querem gastar mais e precarizar as políticas públicas para a população e as lutas feitas pelas categorias nos governos Udo Döhler e Marlon Neuber são indispensáveis.

No âmbito federal, depois da Emenda Constitucional 95/2016, que congelou por investimentos no serviço público por 20 anos e consequentemente piora as condições de trabalho e o serviço público à população, agora temos a reformas da Previdência já sancionada e a Proposta de Emenda Constitucional 133/2019, que inclui os servidores estaduais e municipais nas novas regras de aposentadoria além das PECs 186, 187 e 188/2019. Essas congelam ainda mais investimentos, tiram direitos à data-base, reduzem jornada e salário do funcionalismo público, entre outras barbaridades.

Assim, a direção do Sinsej chama as categorias à organização e mobilizações necessárias para vencer as lutas que estão em nosso caminho para garantir e conquistar direitos.