• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Servidores municipais de Joinville paralisam na próxima quarta-feira

Com reajuste salarial abaixo do INPC servidores podem entrar em greve

Publicado: 02 Junho, 2017 - 10h13

Escrito por: Francine Helmann

Os servidores de Joinville decidiram no dia primeiro de junho, em assembleia na Câmara de Vereadores, paralisar os trabalhos na próxima quarta-feira, com concentração às 9 horas, em frente à Prefeitura. Eles rejeitaram a proposta da Prefeitura de reajustar os salários em 1% em setembro e 1% em novembro, de forma não cumulativa e não retroativa à data-base. “Isto não é uma proposta”, classificou o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municpais de Joinville e região - SINSEJ, Ulrich Beathalter. “Está na hora de deflagrarmos greve”, afirmou.

O índice oficial da inflação, com base no INPC, é de 3,99%, um dos menores percentuais da última década. A Pauta de Reivindicações da categoria contém 11 itens econômicos, 22 sociais e seis acordos de campanhas salariais ainda não cumpridos. Muitas destas demandas não geram custo à administração. No entanto, mesmo após seis reuniões de negociação, o prefeito segue ignorando todos os pedidos. Nem mesmo o reajuste do vale-alimentação pela inflação na data-base, que já é previsto em lei no município, foi aplicado até o momento.

Ulrich relembrou que as propostas da Prefeitura têm sido cada vez piores desde a última greve da categoria, em 2014. “O próximo passo é retroagir, retirar direitos”, ressaltou. “Se nós abaixarmos a cabeça agora, não estaremos apenas aceitando esta miséria que Udo está oferecendo, mas autorizando que ele vá muito além e corte o pouco que ainda temos”. Esta também é a opinião da cozinheira Neiva Meneghel: “Vamos falar sério com nossos amigos, precisamos lutar”.

O diretor do Sinsej Márcio Nascimento contou à assembleia que os servidores de Itapoá deflagraram greve mesmo com a reposição da inflação e um reajuste de 10% no vale-alimentação garantidos. “Esta é nossa tarefa, sair daqui e buscar cada companheiro para colocar todo mundo na frente da Prefeitura”.

carregando