• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Greve dos petroleiros ė em defesa de toda a sociedade

Redução dos preços na gasolina, gás de cozinha e diesel é anseio do povo brasileiro, diz José Maria Rangel, coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP)

Publicado: 28 Maio, 2018 - 11h03

Escrito por: Andre Accarini

notice

O esquenta para a greve dos petroleiros, anunciada para a próxima quarta-feira (30) começa já nesta segunda com paralisações, atos e mobilizações em todo o sistema Petrobras.

Os petroleiros exigem a redução do valor da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, a manutenção dos empregos e a retomada da produção interna de combustíveis.

A greve desta quarta ? de advertência e será  de 72 horas a partir da meia-noite da quarta-feira.

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, explica que o movimento deverá ter apoio total da sociedade, porque uma das principais reivindicações é a redução dos preços da gasolina, diesel e gás de cozinha.

“O governo reduziu a operação das refinarias brasileiras e isso fez com que o Brasil passasse a importar 30% de todos os derivados que consome e com que os preços praticados aqui passassem a seguir as oscilações do barril do petróleo lá fora”.

O Brasil tem petróleo, refino e distribuição. ? absolutamente desnecessário o aumento das importações de derivados, como tem feito o presidente da Petrobras, Pedro Parente, desde que implantou a nova política de preços, em julho do ano passado, aumentando as importações do país em cerca de 25%.

Quem paga a conta é o povo brasileiro, tanto na hora de comprar gás de cozinha, quanto gasolina e todos os produtos que dependem de transporte ou que sejam produzidos a partir dos derivados, explica Rangel.

Nesse “bolo”, explica o dirigente, muito do que se usa no dia a dia é feito a partir do petróleo.

O coordenador geral da FUP considera que a atual administração da Petrobras, comandada pelo ex-mimistro de FHC, indicado pelo golpista e ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), tem destruído a empresa diante de um mercado tão importante no mundo todo.

A greve, já aprovada por ampla maioria da categoria em todo o país, também é contra a tentativa de privatização da empresa. Em abril, Parente anunciou a venda de refinarias no Paraná, em Pernambuco, na Bahia e no Rio Grande do Sul, além de dutos e terminais da Transpetro, subsidiária de transporte e logística de combustíveis.

“Queremos que a política de preços seja revista, que seja imediatamente suspensa a privatização e que Pedro Parente deixe a presidência da Petrobras”, diz Zé Maria Rangel.

Ele comenta que 60% da população é contrária à venda da maior estatal brasileira. “Já passou a fase em que todos diziam que a Petrobras era corrupta e sem competência para tocar projetos. A população sabe que essa greve será justa porque é pela redução de preços, contra a privatização e pela geração de empregos no Brasil e não em outros países, como a China, algo que já vem acontecendo”.

Esquenta
Os trabalhadores da Replan, em Paulínia, e da Recap, em Mauá, bases do Sindipetro Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP), vão cruzar os braços nesta segunda-feira (28/05), em solidariedade ao movimento dos caminhoneiros e contra a política de reajuste diário do preço dos combustíveis, imposta pelo presidente da empresa, Pedro Parente.

A paralisação acontece no início dos turnos da manhã, com o corte de rendição, ou seja, o grupo de petroleiros que começa a jornada na noite deste domingo (27) permanecerá dentro da refinaria até o fim do protesto, que poderá durar até oito horas.

O Sindicato também espera a adesão em massa do pessoal do setor administrativo, que inicia o expediente de manhã.

carregando