• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Dia de lutas contra Reforma da Previdência serviu para reafirmar “Se botar pra votar, o Brasil vai parar”

Dia de mobilização fica marcado em Santa Catarina por atos em Florianópolis e Joinville e paralisação do transporte público da Grande Florianópolis

Publicado: 06 Dezembro, 2017 - 10h23

Escrito por: Pricila Baade

notice

Presidenta da CUT-SC fala durante ato em FlorianPresidenta da CUT-SC fala durante ato em Florian

 

Essa terça-feira, 5 de dezembro, foi marcada por lutas contra a Reforma da Previdência em todo o país. O dia de mobilização serviu para dialogar com a população e reafirmar para os deputados e senadores que se eles traírem os trabalhadores, na eleição de 2018 terá resposta. Os atos deixaram claro o recado “Se botar pra votar, o Brasil vai parar”. As ações lotaram as ruas de diversas cidades do Brasil e em Santa Catarina não foi diferente.

Durante a madrugada, lideranças sindicais fizeram panfletagens no Frigorífico Aurora e JBS, em São Miguel do Oeste, para dialogar com os trabalhadores sobre os retrocessos do desmonte da previdência e da importância de paralisar os locais de trabalho caso a reforma seja votada.

Na capital, as panfletagens para chamar a população para o ato também começaram de manhã. Os panfletos distribuídos traziam informações sobre os retrocessos da reforma e denunciavam os deputados e senadores catarinenses responsáveis pela retirada de direitos dos trabalhadores. Os materiais foram entregues em frente ao Ticen, para dialogar com quem estava chegando para trabalhar, e depois foram distribuídos em todo o comércio.

De tarde, com o apoio do movimento sindical, o transporte coletivo da Grande Florianópolis paralisou por duas horas, das 15h30 às 17h30, tempo suficiente para chamar atenção de toda população que estava no Centro para o ato que estava acontecendo. Os trabalhadores do transporte coletivo se uniram as lideranças sindicais e aos outros trabalhadores na luta em defesa dos direitos.

O ato em frente ao Ticen reuniu pessoas de diversas centrais e movimentos sindicais. Com bandeiras, faixas e discursos os militantes diziam não ao fim da aposentadoria. Em sua fala, a presidenta da CUT-SC, Anna Julia Rodrigues, reafirmou que a CUT nunca recuou na luta e que desde o início do golpe contra a democracia esteve nas ruas para protestar contra as ações do Governo Temer. “Neste momento, é importante que todas as centrais se unam para que façamos uma grande greve geral para parar o Brasil e mostrar para este governo a força que temos. Não vamos deixar eles retirarem mais esse direito nosso!”

Em Joinville um ato também aconteceu no período da tarde para chamar atenção da população para o desmonte da previdência. Trabalhadores e lideranças sindicais se uniram na Praça da Bandeira e protestaram contra a reforma do Governo Temer.

A presidenta da CUT-SC avalia o dia de lutas com um resultado muito positivo. “Foi um dia importante para dialogarmos com os trabalhadores sobre os malefícios da Reforma da Previdência e organizar a greve para quando o projeto entrar no congresso”.

carregando