• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com carreatas e bicicletaços, 11 cidades de SC protestaram por Fora Bolsonaro

Neste domingo - dia nacional de luta - cidades de diversas regiões do estado organizaram mobilizações pelo impeachment do presidente, por Vacina Já para todos e pela volta do auxílio emergencial

Publicado: 22 Fevereiro, 2021 - 15h19 | Última modificação: 24 Fevereiro, 2021 - 14h49

Escrito por: Pricila Baade/CUT-SC

notice

Neste domingo (21), 11 municípios de Santa Catarina se uniram ao restante do país e tomaram as ruas em forma de carreatas e bicicletaços para protestar contra a política genocida do governo Bolsonaro. Já é a segunda vez em 2021 que este tipo de mobilização acontece. Os atos foram chamados pela CUT, junto com outras centrais sindicais, movimentos sociais, estudantis e religiosos e partidos políticos de esquerda que fazem parte das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

As mobilizações aconteceram por três pautas prioritárias: o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, por Vacina Já para todos e todas e pela volta do auxílio emergencial. O formato de protestos em carreatas tem sido bastante utilizado por reduzir o risco de contágio da covid-19 e manter a segurança dos participantes.

Para a presidenta da CUT-SC, Anna Julia Rodrigues, o aumento do número de participantes nas mobilizações indica o quanto o povo está descontente com o governo Bolsonaro “Passando pelas ruas vimos o povo nos aplaudindo e pedindo por Fora Bolsonaro. Os brasileiros não aguentam mais a política genocida deste governo e, por isso, mais do que nunca, essa é a hora de nos mobilizarmos e tomarmos às ruas com segurança com nossas bandeiras”.

Florianópolis

As ruas da capital de Florianópolis foram tomadas por carros e bicicletas se manifestando por Fora Bolsanaro, vacinação para todos e todas e continuidade do auxílio emergencial. Desta vez, a mobilização foi ainda maior. A carreata iniciou com alguns participantes que saíram de Palhoça e São José que se encontraram com outro grupo na UFSC, em Florianópolis. Após a UFSC, os participantes seguiram para centro da cidade e pela Beira Mar Norte. Ao todo, cerca de 700 carros e bicicletas participaram do ato.

 

Com faixas, cartazes, adesivos e um carro de som com falas de lideranças, a mobilização causou filas e chamou a atenção da população para a urgência do impeachment do atual presidente e de medidas mais rápidas e combativas para acabar com a pandemia do covid-19.

Para o presidente da FETRAFI-SC e diretor da CUT-SC, Jacir Zimmer, que esteve à frente da coordenação da carreata na capital, a atividade superou as expectativas "tenho uma avaliação muito positiva da atividade deste domingo, com destaque para a grande adesão ao chamado dos organizadores, bem como a receptividade da população por onde passamos. Podemos com isso concluir que aumenta o desgaste do governo junto à população e precisamos continuar as próximas lutas visando acentuar o grau deste desgaste. Temos que tirar Bolsonaro para salvar o País”.

Blumenau
No Dia Nacional de Mobilização, Blumenau também se uniu ao restante do país. A carreata aconteceu durante a manhã de domingo com a participação de cerca de 60 carros. O ato, organizado pelos sindicatos e movimentos sociais, passou por mais de sete bairros da cidade e envolveu cerca de 150 pessoas.

 

Joinville
Neste domingo, cerca de 70 carros, motos e bicicletas foram às ruas de Joinville para pedir pelo fim do governo Bolsonaro, por vacinação em massa e pela volta e ampliação do auxílio emergencial. A mobilização, organizada por sindicatos, movimentos sociais e partidos políticos de esquerda,

A carreata e bicletaço saiu da Arena Joinville, percorreu diversas ruas da cidade e encerrou no trevo da Univille.

Pedro MendesPedro Mendes

Criciúma
Em Criciúma também teve carreata neste domingo, com a participação de mais de 80 carros.  A mobilização, organizada por sindicatos, movimentos sociais e partidos de esquerda, passou por cinco bairros do município guiada por um caminhão de som que contou com falas alertando a população para a importância de lutar pelo impeachment de Bolsonaro, por vacinação para todos, pela volta do auxílio emergencial e contra a Reforma Administrativa.

O Secretário de Comunicação da CUT-SC participou da carreata e falou que o resultado foi muito positivo “Por onde nossa carreata passava as pessoas nas casas aplaudiam e apoiavam o nosso ato. Foi um bom indicativo para vermos como a aprovação do governo Bolsonaro está cada vez mais baixa e o diálogo com a população sobre nossas pautas está cada vez mais fácil”

Sabrina Pereira (Jornal Livre SC)Sabrina Pereira (Jornal Livre SC)Sabrina Pereira (Jornal Livre SC)Sabrina Pereira (Jornal Livre SC) 

Lages
Lages também se uniu ao Dia de Luta, mas de um jeito diferente: ao invés de uma carreata, foi organizado um ato público no calçadão. Diversas entidades entre movimentos, sindicatos e partidos políticos organizaram e participaram do evento.

O ato contou com a presença de aproximadamente 100 pessoas e um dos grandes momentos da manifestação foi a entrega simbólica de alimentos do MST para os manifestantes que depois do ato repartiram entre si os produtos.

A mobilização seguiu as orientações das organizações de saúde, mantendo o distanciamento social e com o uso de máscaras.

Luiz Carlos Titi e Moisés SavianLuiz Carlos Titi e Moisés Savian

Rio do Sul
Rio do Sul, no alto vale do Estado, também se uniu ao Dia de Luta. Uma carreata aconteceu durante a tarde de domigno e contou com a participação de mais de 50 carros que receberam adesivos com as pautas da moblização. 

A vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio do Sul e Região, o Sinspurs, Luciana Barbosa, fez uma avaliação muito positiva da carreata "Recebemos diversas buzinadas positivas de outros motoristas e não foi expressiva a manifestação contrária. Os favoráveis manifestaram claro desejo de estar ali, junto, presente, suas expressões mostravam isso...E eis que surge uma bandeira vermelha, no alto de um edifício, retratando solidariedade ao nosso movimento de luta".


Aconteceram ainda carreatas nas cidades de Brusque, Araranguá, Itajaí e Mafra.